Fonte de Inspiração: ação Pegue e Pague, em Rio do Sul

25 de outubro de 2016. Categoria(s) Fonte de Inspiração

pegue e pague

“Falta honestidade neste país.” Essa frase sai quase sem empecilhos da boca de milhares de pessoas diariamente e é recebida por acenos de cabeça em concordância. É uma justificativa para os longos congestionamentos, para uma estatística de assalto, mais um escândalo de corrupção ou até porque tal pessoa ganhou tanto dinheiro. Mas realmente falta honestidade no Brasil?

Honestidade, de acordo com os dicionários, é a “característica do que é decente, do que tem pureza e é moralmente irrepreensível”. É algo que segue “preceitos morais socialmente válidos”. Ao ler isso, muitos podem responder um taxativo “sim” à pergunta feita mais acima. Mas a população de uma cidade de 66 mil habitantes em Santa Catarina briga fortemente com essa teoria.

Conscientização sobre ética e honestidade

Em julho deste ano foram instalados refrigeradores repletos de garrafas de água mineral em três pontos movimentados da cidade de Rio do Sul. Durante 60 dias, as portas deles ficavam abertas 24 horas por dia com uma pequena urna localizada logo ao lado com os dizeres Pegue e Pague. O conceito era simples: a pessoa podia pegar a água e, sem monitoramento ou fiscalização, decidir se iria pagar o valor estabelecido pelo produto. As pessoas podiam, inclusive, pegar o troco caso fosse preciso.

Ao todo, 1.184 garrafinhas de Água Mineral Santa Rita foram disponibilizadas a R$ 2. Para a surpresa de todos, 96,5% das pessoas que passaram pelos pontos pagaram pelos produtos sem questionar.

pegue e pague

– O Pegue e Pague comprovou que a maioria das pessoas não permite se corromper diante de circunstâncias e de oportunidades. A população pode ser, sim, honesta – afirma o vice-presidente da Associação Empresarial de Rio do Sul (ACIRS), que conduziu a iniciativa, Riciéri Ramlov.

Iniciativas como esta, que contam com a honestidade e boa vontade das pessoas, não são novidade nem no Brasil nem no mundo. Diversos municípios, como Poços de Caldas (MG), já fizeram algo semelhante nos últimos anos. No exemplo mineiro, em um mês foram arrecadados R$ 4 mil para uma entidade que promove projetos de educação e cultura para mais de 250 crianças apenas com a venda de biscoito e uma boa pitada de honestidade do brasileiro.

No caso do Pegue e Pague de Rio do Sul, a ideia foi despertar para a necessidade da honestidade no dia a dia, assim como de ética e cidadania na população.

Todo o faturamento da campanha, que girou em torno de R$ 2, 2 mil foi destinado para o Observatório Social de Rio do Sul para uma campanha de voto consciente para as eleições municipais realizadas no dia 2 de outubro.

 

CTA_rotulo